quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Avanços relevantes do Câncer em 2010

Relatório anual sobre o progresso contra o câncer da Sociedade Americana de Oncologia Clínica
(Journal of Clinical Oncology 2010;28:5327-47)

Estimativa de novos casos de câncer nos EUA em 2010
Pulmão e brônquio 222.520
Próstata 217.730
Mama 209.060
Intestino grosso (Colon) 102.900
Linfoma 74.013
Bexiga 70.530

Principais avanços no tratamento do câncer em 2010

Câncer de pulmão

A mesma quimioterapia que é benéfica para pacientes jovens (carboplatina com paclitaxel) também beneficia os idosos com câncer avançado.

Um inibidor do gene ALK (crizotinibe) demonstrou atividade em mais de 90% dos pacientes que tinham esta mutação no tumor.


Câncer de pâncreas

Foi demonstrado pela primeira vez, que uma quimioterapia prolonga a vida de pacientes com câncer de pâncreas metastático. Trata-se de uma combinação de fluoracil, ácido folínico, irinotecam e oxaliplatina.

Câncer de ovário
Um medicamento que inibe a formação dos vasos sanguíneos do tumor (bevacizumabe) prolongou a vida de mulheres com câncer de ovário avançado, quando associado com uma quimioterapia.

MelanomaPela primeira vez, uma medicação prolongou a vida de pacientes com melanoma avançado. Esta droga, denominada ipilimumabe, é um anticorpo que ativa o sistema imune dos pacientes.


Câncer de mama
Um tratamento mais rápido com radioterapia foi tão eficaz quanto um longo.


Linfomas

Linfoma folicularA combinação de bendamustina (inexistente no Brasil) com rituximabe foi melhor do que CHOP com rituximabe.


No estudo PRIMA, foi demonstrada a redução da taxa de recaída nos pacientes que foram tratados com CHOP e rituximabe, obtiveram alguma resposta e depois complementaram o tratamento com uma dose de rituximabe a cada 3 meses por dois anos.

Novas drogas para o câncer aprovadas nos Estados Unidos em 2010

Romidepsina - linfoma T de pele

Pralatrexate - linfoma T periférico

Ofatumumab - leucemia linfocítica crônica com pouca resposta à fludarabina e alemtuzumabe

Cabazitaxel - câncer de próstata

Sipuleucel-T - câncer de próstata

Pazopanib - câncer renal avançado

11 comentários:

Anônimo disse...

Ola,

Adorei o seu blog. Meu pai tem linfoma de célula no manto, gostaria que vc escrevesse um pouco sobre este tipo de linfoma e possibilidades de tratamento, uma vez que é difícil informações sobre ele.

Buggyman disse...

Bom dia, Dr. Rony. Sou portador de linfoma folicular e ainda não comecei o tratamento. Não apresento nenhum sintoma externo e os exames de sangue mostram-se razoáveis (plaquetas em 100mil é uma das únicas alterações). Meu hematologista estava aguardando um pouco para iniciar o tratamento e agora está sugerindo iniciar, em função das plaquetas. Parece razovável, mas eu gostaria de saber se a Anvisa tem previsão da entrada da Bendamustina no mercado brasileiro.

Grande abraço e parabéns pelo blog! É de grande auxílio para os pacientes.

Rony disse...

Prezados,
obrigado pelos comentários.
Em breve, postarei algo sobre linfoma do manto.
Para Buggyman,
infelizmente, não sei quando a bendamustina será comercializada por aqui. Também não sei onde está o problema, se na aprovação pela ANVISA ou no interesse dos laboratórios. Neste momento, creio que ela não pode ser considerada para o tratamento do linfoma no Brasil. Uma pena! Um abraço.

Buggyman disse...

Li todos os teus posts e comentários. Fiquei abismado ao saber que o Rituximabe não é uma opção no SUS e vou mandar esta informação para políticos que conheço. É procedente? Tem alguma base técnica o não uso ou é apenas econônica? Impressionante!

Felizmente, não dependo do SUS!

Rony Schaffel disse...

No final do ano passado, antes da eleição presidencial, houve uma mudança na lista de procedimentos para tratamento dos linfomas que, em tese, possibilitaria o uso do rituximabe (Mabthera). O problema é que os critérios de inclusão de pacientes para este tratamento limitou demais a sua aplicação pois é aplicável apenas para pacientes recém-diagnosticados, portadores de linfoma difuso de grandes células e que sejam negativos para o vírus HIV e, se não me engano, tem um limite de idade também.
Além disto, os custos adicionais a esta medicação foram ignorados e existe um assincronismo entre o pagamento (mensal) e o intervalo de aplicação do tratamento (a cada 3 semanas). Muito tristes estas amarras.
Pacientes com linfoma folicular, leucemia linfocítica crônica, linfoma de zona marginal, linfomas transformados e outros em que há claro benefício do uso do rituximabe continuam privados desta medicação até que alguém importante tenha esta doença e pense que seria uma boa idéia, do ponto de vista político, incluí-la na cobertura do SUS.

Mariana disse...

lá, estou com uma ferida na minha perna esquerda na parte superior da coxa, sou bem gorda, não estou perdendo peso nenhum, não tenho cansaço excessivo e nenhum outro sintoma, fui a um dermato que me apavorou e já me ligou varias vezes para eu não perder a biopsia, acho muito anti ético um médico antes de qualquer tipo de exame diagnosticar uma coisa grave como um linfoma e apavorar tanto um paciente. É possível que apareça linfoma na coxa? mesmo eu não tendo nenhum outro sintoma é possível se caracterizar linfoma sem ao menos um exame de sangue? minha ferida não doi, mas é sensível ao toque, se esbarrar dói também... enfim, agardeceria muito se tirasse estas dúvidas pois estou muito nervosa... obrigada

Rony Schaffel disse...

Oi Mariana.
Não posso opinar sobre a ética do seu dermatologista. Ele deve ter lá suas razões para te alertar.
Em relação a sua dúvida sobre linfoma, existe sim linfoma na coxa. No entanto, o diagnóstico só pode ser feito por biópsia. Como é uma doença rara, creio que deve haver outras explicações para a sua ferida.
Por outro lado, aparentemente não há como fazer o diagnóstico sem a biópsia. Um abraço.

Mariana disse...

Olá Dr.,

muito obrigada pela sua atenção.

Não quis que opinasse sobre a ética do meu dermatologista não, foi só um desabafo no meio do nervosismo, estou aguardando ansiosa o resultado da biópsia.

Só mais uma dúvida, o único tratamento no caso do linfoma é a quimio??

Obrigada mais uma vez,
Att,
Mariana

Rony Schaffel disse...

Oi Mariana,
existem diversas formas de se tratar linfomas de pele e a quimioterapia é a última delas. Em geral, começamos com tratamentos tópicos e radioterapia.
Um abraço.

Anônimo disse...

Sou soro positivo a 17 anos, faço uso do coquetel, no entanto meus linfócitos t estão sempre baixos, em contra partida minha carga viral é indetectável. A tres dias estou tendo fortes dores num ponto da coxa direita, bem próximo a virilha, aparentemente parece furúnculo, nos dois primeiros dias saiu pus, mas agora fechou e está vermelho e dolorido. Temo ser um linfoma, é possível? Questiono porque trato pelo sus e só tenho consulta para o final de agosto. Obrigado.

Rony Schaffel disse...

Prezado, creio que não é linfoma porque a saída de pús com vermelhidão no local deve significar uma infecção.